segunda-feira, 23 de Junho de 2014

Música e Cultura Chinesas em Concerto Único

Um grupo de músicos chineses, oriundos da Orquestra Tradicional Zhe Jiang, apresentou em Arouca um concerto que demonstrou da riqueza da cultura chinesa. Este concerto teve lugar no auditório da loja interativa de turismo, na passada sexta-feira, dia 20 de junho. Uma iniciativa da Associação para a Defesa do Património de Arouca, com o apoio da Câmara Municipal.
Esta apresentação da Orquestra Tradicional Zhe Jiang primou pela variedade de sonoridades, dando a conhecer um pouco dos costumes folclóricos chineses. Este grupo, conhecido pela envolvência da sua música, tem apresentado o seu concerto em vários pontos do mundo. O seu estilo animado e profundo sentimento tem sido muito aplaudido pelas mais variadas culturas. CMA in Facebook
 

 



Música e cultura chinesas apresentam-se em Arouca

Iniciativa no dia 20 da Associação para a Defesa do Património de Arouca, com o apoio da Câmara Municipal.
Um grupo de músicos chineses, oriundos da Orquestra Tradicional Zhe Jiang, apresenta em Arouca um concerto que alia a música, o teatro e a dança, numa demonstração da riqueza da cultura chinesa. Este concerto terá lugar no auditório da loja interactiva de turismo, na próxima sexta-feira, dia 20 de Junho, a partir das 21h30. Trata-se de uma iniciativa da Associação para a Defesa do Património de Arouca, com o apoio da Câmara Municipal.
Esta apresentação da Orquestra Tradicional Zhe Jiang prima pela variedade de sonoridades, juntando as danças e os costumes folclóricos chineses. Este grupo, conhecido pela envolvência da sua música, tem apresentado o seu concerto em vários pontos do mundo. O seu estilo animado e profundo sentimento tem sido muito aplaudido pelas mais variadas culturas. in Roda Viva Jornal

terça-feira, 6 de Maio de 2014

AS ORDENANÇAS DE UM CONCELHO - ALVARENGA

AS ORDENANÇAS DE UM CONCELHO - ALVARENGA, da autoria do Professor António Dias Madureira, é a última edição da ADPA - Associação de Defesa do Património Arouquense.
Apresentado no contexto das comemorações dos quinhentos anos da atribuição do Foral a Alvarenga, por D. Manuel I, que tiveram lugar no passado primeiro fim-de-semana de maio, este trabalho, a que o autor e filho da terra se dedicou nos últimos tempos, debruça-se sobre as Ordenanças no antigo concelho de Alvarenga. Para além do mais, este tema, uma velha paixão que o autor em tão oportuno momento da história de Alvarenga resolveu recuperar, comporta muito da vida de alguns dos antepassados da terra, que a partir de agora passarão a fazer parte do curso da história local e da vida colectiva dos alvarenguenses. Mas, o interesse desta obra extravasa em muito os limites daquele antigo concelho, incorporado no de Arouca em 1836, dadas as importantes achegas que fornece para o estudo das Ordenanças a nível local.
"O lançamento do livro de António Madureira vai deixar um marco para as gerações futuras", referiu José Artur Neves, presidente da Câmara Municipal de Arouca.
 
Professor António Madureira durante a apresentação do seu trabalho

sábado, 3 de Maio de 2014

Sobrinho Simões e Arouca


No primeiro dia das férias da escola apanhava a camioneta para casa dos avós. Cinco horas do Porto a Arouca. Na aldeia, acompanhava o avô, médico conceituado e olivicultor premiado, para todo o lado. Nas visitas aos doentes no táxi que subia e descia estradas apertadas, na viagem até Anadia para comprar os pavios para a procissão dos fogaréus, nas vistorias aos pomares espalhados pelas serras. O professor, médico e investigador recupera memórias na terra onde os mais velhos ainda o tratam por menino Manelzinho.
Há um barulho que não lhe sai da memória: o das socas de madeira que calcavam o granito das ruas da aldeia durante a procissão dos fogaréus, dias antes da Páscoa. Esse som saído dos pés de senhoras e meninas acompanhava o ritmo da marcha fúnebre de Chopin interpretada pela banda de música. “Aquele ritmado das socas era uma coisa única.”
Ao pé da casa dos avós paternos, a comadre Maria matava galinhas atrás de galinhas para lhes arrancar as penas que transformava em delicadas asas de anjos para as meninas que iriam participar na procissão a que religiosamente a família Simões assistia da varanda. Banda de música a abrir caminho num percurso até ao alto do Calvário, homens e mulheres que não se misturavam para decalcar os últimos momentos da vida de Cristo na terra. Era um momento solene e as suas irmãs, ainda pequenas, vestiam-se de anjos e seguiam no cortejo. “A Páscoa era uma coisa muito especial. Desde miúdo, desde que me lembro, passava a Páscoa com os meus avós.” Em Arouca, na aldeia que era então o centro do seu mundo.
A Páscoa tinha rituais. Limpava-se a casa de cima a baixo para receber o padre e o compasso. O pequeno Sobrinho Simões acompanhava o avô médico até Anadia, aonde iam comprar os pavios de cera que na noite da procissão dos fogaréus iluminariam as varandas de casa. A compra era feita a um primo direito do avô, também médico. Durante a viagem, apercebia-se do estatuto do avô. De Arouca até São João da Madeira, ocupavam os lugares logo atrás do motorista da camioneta, que lhes reservava o sítio como sinal de respeito. Na troca de carreira, de São João da Madeira para Oliveira de Azeméis, iam nos lugares do meio. “Até Anadia já íamos mais atrás na camioneta.”
Na última Páscoa, o professor catedrático, médico e investigador, director do Ipatimup – Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto, regressou à casa da família, em Arouca, para assistir à procissão dos fogaréus organizada pela Santa Casa da Misericórdia local, da qual é “irmão”.
Durante a tarde, a família Simões cumpria a tradição. Espalhava velas pelas varandas. As netas Mariana, de oito anos, e Mafalda, de seis, filhas do filho do meio, João, assistirão à procissão pela primeira vez. A mãe do professor vai recebendo familiares e amigos e a mesa comprida da cozinha, que mantém a imensa e generosa chaminé das casas mais antigas e que tanto espantam os nórdicos que ali têm ficado alojados, não tardará a ficar preenchida com os convidados.
O professor acaba de chegar de mais um dia de trabalho. De manhã, recebeu quatro casos clínicos de Creta, Grécia. Reuniu alguns investigadores para uma primeira análise. Sem almoçar, faz-se à estrada em direcção a Arouca. E como sempre que regressa à agora vila combina com o dono da oficina, filho da afilhada da sua avó, para tratar da viatura. Há sempre amolgadelas para resolver ou revisões e inspecções a tratar. Confia-lhe as chaves do carro que dali sairá como novo.
A noite aproxima-se. É na rua, com a mulher, as duas netas, o filho João, alguns familiares e conhecidos, que Sobrinho Simões vê a procissão passar em frente à casa com as varandas iluminadas. Minutos antes, chega o director da Rádio Regional de Arouca com o microfone na mão e não perde a oportunidade para umas perguntinhas a “um nobre filho desta terra”. O professor sorri e responde já a procissão saiu da igreja em frente ao mosteiro. “Arouca está diferente do tempo em que eu era pequeno, tem carros a mais”, comenta, quando a questão recai sobre a evolução da vila. A procissão aproxima-se e passa. Não há socas a pisar o granito nem meninas vestidas de anjo com penas de galinha. A banda vai em último, homens e mulheres desfilam lado a lado. Quatro andores, três de Cristo, um dos quais que representa a crucificação na cruz, e um de Maria compõem a procissão religiosa que acaba no Calvário. O “vizinho” Alberto Teixeira de Brito, que nasceu na casa em frente, até há pouco tempo provincial dos Jesuítas, integra o cortejo.

“Antigamente a procissão era mais pobre, mais organizada. Sinto uma coisa qualquer que tem a ver com a memória”, confessa Sobrinho Simões. São as memórias, e não a fé religiosa, que o conduzem a esse regresso às origens. A procissão lembra-lhe a família reunida, os rituais de preparação, o estar a pé até mais tarde. Tenta não faltar à procissão dos fogaréus, mas há uma que não perde há 24 anos na desabitada aldeia de Drave, lá em cima, aninhada entre serras. A 15 de Agosto, os familiares de quem lá viveu regressam para a festa em honra de Nossa Senhora da Assunção. Há procissão, missa rezada na capela e canções que ganham amplitude e ecoam “num vale muito bonito”. Para lá chegar, é preciso percorrer caminhos de cabras. O professor assegura que vale a pena e já lá levou vários amigos para assistirem a esses rituais marianos simples e emocionantes. “Em Arouca, há uma religiosidade intensa que tem muita expressão”, observa.
Arouca, a aldeia que virou vila, distante do Porto e do mar, orgulha-se das suas serras a perder de vista, de aldeias de pouca gente que aprendeu a tirar da terra o que precisa para viver, de um geoparque que tem pedras parideiras que saltam das rochas e uma cascata numa frecha que nunca se fecha. Orgulha-se do que tem de genuíno. E isso agrada-lhe. “Há um universo local de uma intensidade extraordinária”, refere. “A banda tocava no coreto”, lembra.
No primeiro dia das férias da escola, apanhava no Porto, onde vivia e estudava, a camioneta que o iria levar a casa dos avós em Arouca. Cinco horas de viagem com condutores à antiga, que paravam sempre que fosse necessário. Ou para matar a sede com um copo de vinho americano, ou para as urgências das bexigas dos passageiros no café mais próximo. Na aldeia dos avós paternos, o tempo passava devagar e o pequeno Simões sentia-se imortal. Ia com os amigos nadar para os rios Paiva e Paivó. A estratégia era sempre a mesma, encontrar um taxista que também gostasse de mergulhar no rio para juntar o útil ao agradável e conseguir um preço mais barato. “Não íamos para o rio Arda, era perigoso.” À noite, depois do jantar, juntavam-se no clube local com mesas de bilhar e cartas para a jogatina. “Jogávamos muitas cartas, principalmente sueca e king”, recorda. Quando havia, assistiam às sessões de cinema ao ar livre com os bancos de pau que levavam de casa. Ainda hoje chora no cinema, sobretudo com coisas boas, muito mais com as chegadas do que com as partidas. “O barco parte e não me acontece nada, mas quando regressa, é uma choradeira.” Nunca perdeu o fascínio por essa magia que o cinema tem de fazer acreditar em qualquer coisa. “Gosto que me aldrabem.” Que o aldrabem com classe, que o façam acreditar no impossível.

Geração livro de instruções

A casa é sempre um porto seguro e a de Arouca traz-lhe muitas recordações. Há livros antigos nas estantes de madeira, fotos a preto e branco na sala da frente. O corredor está ligeiramente inclinado, a cozinha à moda antiga respira espaço, as portadas protegem as janelas. “As famílias vivem muito das casas. As casas antigas dão-nos um sentido de pertença. Uma casa de onde se vem tem um valor muito grande”, afirma. A casa de Arouca foi comprada pelo bisavô, o médico Manuel Rodrigues Simões, no final do século XIX.

Morada do avô, filho único e médico e do pai também filho único e médico. Todos com Manuel no primeiro nome. Casa mantida na família até hoje, com jardim e piscina nas traseiras, cavalariças e casa dos caseiros. E árvores de fruto plantadas pelo professor. Fica a dois passos do imponente Mosteiro de Arouca, aonde ia, de vez em quando, à missa com a avó, que seguia as cerimónias religiosas na cadeira com o nome Simões gravado na madeira.
Da casa, vê-se a Senhora da Mó, com a cruz lá do alto. Na noite de 7 de Setembro, véspera do dia do seu aniversário — Sobrinho Simões nasceu a 8 de Setembro — há uma ceia só para homens naquele local de culto no sopé da serra. O avô não faltava e levava uma garrafa de vinho branco e uma malga de marmelada para o convívio masculino. O neto mais velho também ia.
O avô Manuel Rodrigues Simões Júnior foi a referência. Nos cartões de visita, escrevia médico e olivicultor premiado em terceiro lugar. Etnólogo, investigador, ajudou a fundar o museu de arte-sacra de Arouca. Era o médico da aldeia que recebia os doentes em casa num gabinete ao cimo das escadas do lado esquerdo, agora transformado em quarto dos brinquedos. “O meu avô tinha um princípio, não se levava dinheiro a ninguém de Arouca.” A gratidão batia-lhe à porta em galinhas, cabritos, cabras, muitos animais e toda a variedade de legumes. Os ingredientes caseiros sentiam-se nos sabores genuínos das refeições. “A refeição era um ritual. Era uma cozinha de géneros e muito farta”, lembra.
Quando o avô era chamado de urgência para ir ver doentes em lugares recônditos da serra, sentava-se ao seu lado no táxi. Ficava à conversa com o taxista enquanto esperava que a consulta terminasse. Médico, historiador, etnólogo, olivicultor com um terceiro prémio a nível nacional, com o terceiro azeite com menor acidez. O homem que tudo sabia e que tudo ensinava ao neto mais velho. “O meu avô nunca achou graça a ver doentes. Tinha uma grande solidez de propriedade do saber.” Adorava as coisas da terra. Produzia azeite e vinho branco, acompanhava o crescimento dos pomares. Percorria as plantações espalhadas por aquele generoso território e partilhava com o neto os truques para enxertos infalíveis que ia construindo na cabeça depois de muitas leituras. “Romãs, nestes sítios? É para esquecer. Nesta região, o que dá são pêras e maçãs”, avisa.
Nessas viagens, por serras isoladas e caminhos de terra batida, percebeu que nem todos eram iguais. Olhava para os pés e entendia as diferenças. Os seus protegidos por botas ou sapatos, os dos outros miúdos descalços e sujos com o pó ou lama da terra. “Os caseiros viviam muito mal. As condições em que as pessoas viviam eram miseráveis.”
Numa família de médicos, era difícil escapar. “Tinha muitos exemplos. Ser médico era um rótulo.” O pai Manuel Sobrinho Rodrigues Simões deixou Arouca para estudar Medicina. Foi médico, professor e investigador na área de Bioquímica. “Quando era pequeno, ia com o meu pai para o laboratório, via-o misturar dois líquidos sem cor e aquilo ficava azul e amarelo”. Ficava maravilhado.
Sobrinho Simões nasceu há 66 anos em Cedofeita e é a primeira geração da família no Porto. Andou no liceu Alexandre Herculano, licenciou-se em Medicina na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto com média de 19 valores. Não passou despercebido no seu percurso escolar. Especializou-se em Anatomia Patológica com 20 valores. Doutorou-se em Patologia no Porto e aos 29 anos partiu para o Instituto de Cancro na Noruega para o pós-doutoramento. Levou os filhos pequenos e a mulher, também médica. “Sinto-me em casa na Noruega. Conheço Oslo como se fosse o Porto”, revela. Através da saúde conquistou o respeito da comunidade norueguesa, chegou a ser o “ponta-de-lança” em algumas investigações entre a Noruega e outros países.
Sobrinho Simões é uma referência mundial na área de investigação das doenças cancerígenas, director do Ipatimup, uma das instituições mais notáveis em investigações relacionadas com as ciências da saúde, sobretudo com o cancro. Descobriu que as células do cancro da tiróide se comiam a si próprias. Autofágicas, mas persistentes. Não desapareciam, alimentavam-se delas próprias. “O cancro é igualzinho a nós”, diz o investigador que analisa casos complicados.
Com o avô e o pai, percebeu que não seria um médico de bata branca. “Nunca quis salvar vidas.” Não fez muitas urgências médicas. “Gosto de estudar as doenças pelo problema intelectual que me colocam. Preciso sempre de uma justificação”, afirma. É um patologista obsessivo, sempre a pensar. “Tenho a sorte de a realidade me fazer as perguntas.”
Surpreende-se com as novas tecnologias, com a capacidade intuitiva da nova geração que mexe em máquinas e equipamentos sem consultar qualquer papel, com os dedos sempre prontos para mexer em botões ou teclas. “Pertenço à geração do manual de instruções, que lê tudo antes de tocar em qualquer aparelho. Sou incapaz de mexer nos botões sem primeiro perceber para que servem”, revela. Prefere fazer as revisões dos documentos científicos no papel e não no ecrã do computador.
Sobrinho Simões tem vários prémios no currículo. O Prémio Bordalo, o Prémio Pessoa. E quando abre o armário de orgulhos são pessoas que saem de lá. Investigadores que trabalharam e trabalham consigo e que são considerados os melhores do mundo no que fazem. É isso que o satisfaz. Continua a comandar o barco com a certeza de que há muitos bons marinheiros. “Estou no circuito, mas já não sou eu.”
Este Verão, deixará o Porto uma vez mais em direcção a Arouca. Passará três semanas na casa da família, irá novamente a Drave a 15 de Agosto, passeará a pé com os netos — tem seis — pelas ruas da vila, ouvirá com certeza alguém chamar-lhe menino Manelzinho. Os da sua geração tratam-no por tu. Voltará a encontrar-se com amigos para juntos voltarem a procurar plantas carnívoras, visitarem as antigas minas do ouro negro, o volfrâmio, para os lados de Rio de Frades. “Arouca é linda e não está estragada. Tem muita qualidade de vida.”

quinta-feira, 27 de Março de 2014

INSTRUMENTOS MUSICAIS CHINESES

A ADPA - Associação de Defesa do Património Arouquense, em colaboração com a Embaixada da República Popular da China, em Portugal, apresenta uma exposição de instrumentos musicais chineses, que tem percorrido várias cidades da europa e que permite ao visitante uma viagem pela cultura musical daquele país, remetendo-nos para as origens de uma das civilizações mais cativantes do mundo.
Trata-se, pois, de uma mostra didática que revela a riqueza da tradição e música chinesa, composta por vários instrumentos de sopro, cordas e de percurssão, fabricados em osso, pedra, madeira, bambu e terracota, em que o público visitante pode apreciar e mesmo tocar. Para além do mais, pretende-se mostrar a evolução histórica musical chinesa e, ao mesmo tempo, compará-la com os instrumentos musicais ocidentais.
 
A exposição que ficará patente ao público na sede da Associação, na Ala Sul do Mosteiro, será inaugurada na próxima sexta-feira, dia 28 de março, pelas 18h00, estando prevista a presença do adido cultural da China em Portugal.

segunda-feira, 17 de Março de 2014

ASSEMBLEIA GERAL
CONVOCATÓRIA
Eu, António Jorge Brandão de Pinho, presidente da Mesa da Assembleia-Geral da ADPA - Associação de Defesa do Património Arouquense, em conformidade com as disposições legais aplicáveis e estatutos da associação, convoco todos os associados para uma Sessão Ordinária, a realizar sábado, dia 05 de Abril de 2014, pelas 17h00, na sede da Associação, sita no Largo de Santa Mafalda, na vila de Arouca, com a seguinte

ORDEM DE TRABALHOS:
1. Apresentação, discussão e votação do Plano de Actividades e Orçamento, para o exercício de 2014;
2. Tratar outros assuntos de interesse.
Arouca, 15 de Março de 2014

O presidente da Mesa da Assembleia-Geral
António Jorge Brandão de Pinho
Se à hora indicada não houver quórum, a Assembleia terá inicio decorrida meia hora com o número de associados presentes.